Bate papo: Medo de livros grandes

Olá leitores! Tudo bem por ai?

Então bora papear, rs.

Já se pegaram paquerando um livro e depois que olharam a quantidade de páginas deram uma amareladinha? Sim? Então estamos juntos nessa. Eu não sei desde quando tenho isso, e pode parecer bem ridículo, mas se o livro passa de 500 páginas existem grandes chances de ele ficar pra sempre na estante, entocado. Pra não dizer que nunca li um livro grande, o maior tinha 496…

Muitas vezes o que passa pela minha cabeça é “E se o livro começar muito bom e acabar muito ruim? Com aquele final horroroso?” Eu sei, eu sei, isso pode acontecer com qualquer livro, mas vamos combinar que se você leu 599 páginas emocionantes é frustrante chegar na 600 com um final ruim, não é? E então esse tipo de pensamento trava qualquer possibilidade de eu pegar um livro assim pra ler. E o que é bem contraditório, porém engraçado é que já li livros de 400 e poucas páginas, olhei pro livro e pensei: “Porque você não é maiorzinho pra gente ficar junto mais tempo, hein?”.

Por exemplo, muita gente fala muito bem de Game of Thrones, e eu juro que acho bem interessante. Já quis pegar várias vezes pra ler, mas sinto que ainda não estou preparada. Uma vez já até me disseram que esse é o tipo de série que cura pessoas com esse medo de livros grandes, e fiquei bem tentada a tirar minhas próprias conclusões. Tá mais que na hora de superar isso, né?

Contem pra mim nos comentários se vocês já tiveram essa fobia de livro grande, como superaram, ou se não superaram, enfim… Quero saber!

bate papo: as pessoas estão lendo mais?

Olá leitores, hoje vamos falar um pouquinho sobre leitura no nosso país, e nos meios de transportes públicos.

Muitas vezes somos metralhados por notícias ruins sobre o mundo e essa iniciativa é maravilhosa pelo motivo de mostrar que sim, os brasileiros leem, mesmo caminhando em passos curtos, estamos evoluindo muito nesse aspecto. Então é sempre um prazer encontrar esses tipos de coisas sendo compartilhados na internet.

Encontrei esse vídeo página do Tem mais gente lendo, e vi que ele sempre está no metro, e trens de São Paulo registrando leitores com suas leituras. Eu admiro muito esse trabalho, eu mesma sempre estou lendo durante o transporte e vejo muitas pessoas lendo também, quase o tempo inteiro. O que é meio contraditório segundo uma pesquisa que vi no Jornal da Globo que dizia que a cada 10 pessoas 7 não leram nenhum livro em 2014… E gente, fiquei imaginando, como isso é possível? As pessoas precisam ler, precisam se informar.

Fiz muitas amigas(os), amarem tanto a leitura quanto eu incentivando a se identificar com determinado gênero, e acredito que algumas pessoas só conseguem viver sem ler um livro porque nunca encontram um livro que realmente interessasse. Talvez isso seja um trauma das leituras acadêmicas (como no meu caso foi), eu queria ter começado a ler de verdade há muito tempo, mas nunca é tarde para encontrar um bom livro, e se tornar um leitor voraz.

O que culpar a falta de interesse das pessoas de não ler? Vocês acham que as pessoas estão lendo mais?

Bate papo: Preconceitos literários.

O post de hoje será um pouco diferente do que o habitual. Vou falar um pouquinho sobre minha opinião sobre preconceitos literários, que é quase um desabafo. Mas sei que muita gente compreende isso.

O preconceito literário é uma coisa cometida com muita frequência (e não tem o menor sentido), existem leitores que acham que só porque leem clássicos e coisa do tipo são superiores aos que gostam de Nicholas Sparks, ou John Green por exemplo. Comecei a ler livros de auto-ajuda, biografias (sim, eu tenho vários livos nesse estilo) e não tenho vergonha disso, porque muitos deles são maravilhosos! O leitor só evolui quando se permite conhecer, crescer, explorar até encontrar o gênero que ele realmente se identifique; cada leitura que fiz, construiu a pessoa e leitora que sou hoje. E se a pessoa se fecha a uma coisa só, estará em uma zona de conforto, não terá novos desafios, enfim, é uma coisa bem chata e monótona, no meu ponto de vista, claro.

Hoje em dia, eu estou em uma fase que sou a louca da distopia, e YA (young/adults, em português jovens/adultos). Mas não sou nenhum ser evoluído para sentir “vergonha alheia” de alguém que lê “cinquenta tons de cinza“, eu já escutei isso. Cada um lê o que acredita que é importante para si, e mesmo sendo de caráter erótico (ou seja lá qual for) não cabe a nenhum leitor apontar o dedo sobre o que é bonito ou não ler. Afinal, você lê para si, ou para os outros te acharem cool, ou culto? Porque, não… Não é por ai. Dai também tem aquelas pessoas com a tal frase: “Você é o que lê”, (nananinanão), você só é o que lê, se absorve e aplica em suas ações diárias, o que não é valido temos o direito de descartar.

Criticar o que as pessoas leem afasta um leitor promissor, conheço pessoas que tem vergonha de ler algumas coisas pelo o que os outros vão julgar, e mesmo que você seja do tipo “podem falar o que quiserem, tô nem ai” tem pessoas que não são assim, alguns comentários são realmente de mal gosto e não contribui em nada, para nenhum dos lados. Então vamos acolher novos leitores, incentivar e apoiar qualquer tipo de leitura seja ela qual for… ❤

Como disse lá em cima não estou acostumada com isso, mas achei que seria legal um bate papo entre leitores. Pra discutirmos sobre vários temas, opinar, e fofocar também, por que não, né? Espero que gostem, até o próximo post.

Beijocas, Aine.