Filmes lançamentos abril/2015

Amanhã começa o mês de abril que esta recheado de lançamentos incríveis, é um filme melhor que o outro. Vamos dar uma conferida?

02/04: Velozes e Furiosos 7

02/04: Um fim de semana em Paris

02/04: O Ultimo Ato

02/04: O Ano Mais Violento

02/04: Um Momento Pode Mudar Tudo

09/04: Cada Um Na Sua Casa

09/04: Uma Longa Jornada

09/04: Risco Imediato

09/04: Jessabelle – O Passado Nunca Morre

09/04: Trocando os Pés

16/04: Chappie

16/04: Não Olhe Para Trás

16/04: Shaun, O Carneiro

18/04: Backstreet Boys 

23/04: Os Vingadores 2: A Era de Ultron

30/04: Entre Abelhas

30/04: Cake: Uma Razão Para Viver

30/04: Noite Sem Fim

23/04: The Walter Diviner

Nesse mês é isso, não esta demais? Até o próximo post!

Anúncios

Rainbow Rowell anuncia seu próximo romance “Carry On” baseado na história de Simon Snow.

simon

Bom, quem leu Fangirl sabe que a personagem principal Cath, era super fã de Simon Snow (que lembra um pouco Harry Potter), e ao final de cada capitulo de fangirl tinha um trecho sobre Simon e Baz. E “Carry On” é a história de amor deles! A primeira fantasia escrita pela Rainbow.

E ela contou tudo isso em uma rede social:

Carry-On

“Meu próximo livro sai em outubro e o titulo é… CARRY ON”

“É isso “Carry On”

“Carry On será uma história de Simon Snow. E uma história de Simon e Baz. Uma história de amor. É minha primeira fantasia e sai em outubro. Espero que gostem”

– Rainbow em seu twitter.

Ainda não temos nome traduzido e nem data de lançamento aqui no Brasil por que mal foi lançado lá fora. Mas acredito que logo logo teremos noticias pela editora Novo Século, que é a editora onde todos os livros da Rainbow são lançados aqui no Brasil.

Sinopse de “Carry On”:

“Simon Snow só quer relaxar e saborear o seu último ano na Escola Watford Magicks, mas ninguém vai deixar isso acontecer. Sua namorada terminou com ele, seu melhor amigo é uma peste, e seu mentor continua tentando se esconder nas montanhas, bem longe, onde talvez ele estará seguro. Simon não pode sequer apreciar o fato de que seu companheiro de quarto e de longa data Nemesis está desaparecido, porque ele não pode parar de se preocupar com o malvado garoto. Além disso, há fantasmas. E vampiros. E coisas realmente ruins tentando acabar com Simon. Quando você é o mago mais poderoso que o mundo já conheceu, você nunca consegue relaxar e saborear nada. “Carry On” é uma história de fantasma, amor, mistério e um melodrama. Há todos os beijos e conversas que se espera de uma história de Rainbow Rowell – mas com muito, muitos mais monstros.”

A escrita de Rainbow é apaixonante e verdadeira, da tempo de conferir Fangirl até outubro!

Até o próximo post! ❤

Crítica filme: Insurgente

Olá leitores! Semana passada fui no cinema ver este filme e vou bater um papo com vocês sobre o que achei dele. Insurgente é o segundo filme da série Divergente, baseado nos livros de Veronica Roth.

581248.jpg-r_640_600-b_1_D6D6D6-f_jpg-q_x-xxyxxSInopse:

Os riscos para Tris (Shailene Woodley) aumentam quando ela decide procurar por aliados e respostas nas ruínas de uma Chicago futurista. Tris e Quatro (Theo James) agora são fugitivos, caçados por Jeanine (Kate Winslet), a líder da elite Erudição. Eles precisam descobrir a causa pela qual a família de Tris sacrificou suas vidas e por que os líderes da Erudição querem impedi-los. Amedrontada pelas escolhas do passado, Tris, ao lado de Quatro, passa a encarar desafios impossíveis a fim de descobrir toda a verdade sobre o passado e também o futuro de seu mundo.

Bem, eu sinceramente demorei um pouco para ter uma opinião formada sobre esse filme. Eu não li a série (mas eu tentei) e graças a um spoiler sobre o ultimo livro, eu desisti de ler. E também não gostei do filme Divergente. Mas vamos falar de Insurgente, para destacar os pontos positivos e os negativos que eu achei.

IMG_3840

Com a cidade as ruínas, Tris e Quatro estão procurando se abrigarem nas outras facções como Amizade e Franqueza, a procura de montar um exercito para lutarem contra Jeanine. Uma onda de mortes suicidas começa a a acontecem em volta de Tris, e ela busca as respostas para que as pessoas que se aproximam dela parem de morrer. E acaba caindo em uma armadilha para ser capturada. A partir dai começam a enfrentar vários desafios.

13

O que eu achei do filme?

Os efeitos especiais foram realmente muito bons, mais incríveis ainda com o 3D. Só acho que faltou mais ação, a hora que eu pensava que realmente ia começar o tiro, porrada e bomba, começava uma série de “blá blá blá“. Acreditem, em Insurgente a ação passou de pular em trens e de prédios. Mas em comparação ao primeiro… Nossa que evolução, hein produção?

A Tris (Shailene Woodley) realmente parecia mais confortável no papel, e o cabelo curto deu um ar de coragem que combina mais com sua personalidade de “divergente”, mesmo que não tenha tipo motivo relevante pra isso. Quatro (Theo James), é do tipo galã, que sempre esta no lugar e na hora certa pra salvar a amada e eu amo esses clichês! E também esta muito bem nesse filme, como no primeiro. Já um cara que eu adoro atuando, mesmo que ele sempre faça os mesmos tipos de filmes é o Miles Teller, que no filme é Peter, que tem participações secundarias porém de grande importância, assim como Caleb (Ansel Elgort), irmão de Tris. Jeanine (Kate Winslet ❤) lider da erudição, quer poder, é quase uma ditadora, nem preciso falar que eu adoro essa atriz, né?

Infelizmente a parte do romance no filme não me agrada, porque eu não consigo ver Tris e Quatro como casal, não consigo torcer por eles. Acho que isso se deve ao fato de que pra mim Tris ainda é Hazel e deve ficar com Caleb que ainda é o Gus (na minha cabeça, claro), realmente acho péssimo essa coisa de eles usarem os mesmos atores sempre, por que eu pelo menos demoro para desvencilhar a imagem deles com a do antigo personagem, mas fazer o que né?

A-Série-Divergente-Insurgente-vídeo-blah-cultural-1200x520

Não posso dizer que foi um filme espetacular, até porque sou bem chatinha com filmes. Mas em relação ao primeiro filme, realmente surpreendeu positivamente. A expectativa esta alta para o próximo filme da série.

Nota: 7.

Resenha: A Revolução dos Bichos – George Orwell

IMG_3892Titulo: A Revolução dos Bichos

Autor: George Orwell

Editora: Companhia das Letras

Páginas: 147

Nota: 10 ❤

Sinopse:

Cansados da exploração a que são submetidos pelos humanos, os animais da Granja do Solar rebelam-se contra seus donos e tomam posse da fazenda, com o objetivo de instituir um sistema cooperativo e igualitário, sob o slogan “Quatro pernas bom, duas pernas ruim”.

Mas não demora muito para alguns bichos – em particular os mais inteligentes, os porcos – voltem a usufruir de privilégios, reinstituindo aos poucos um regime de opressão, agora inspirado o lema “Todos os bichos são iguais, mas alguns bichos são mais iguais que outros”. A história e insurreição libertária dos animais é reescrita de modo a justificar a nova tirania, e os dissidentes desaparecem ou são silenciados á força.

Instrumentalizada na época da Guerra Fria como arma anticomunista, A Revolução dos Bichos transcende os marcos históricos da ditadura stalinista que a inspirou a resplandece hoje, passados mais de 60 anos de seu surgimentos, como uma das mais extraordinárias fábulas sobre o poder que a literatura já produziu.

Narrado em terceira pessoa A Revolução dos Bichos conta a história dos animais da Granja do Solar, que são explorados pelo seu dono, Jones. Por mais que os animais trabalhassem, comiam pouco (quando comiam) e o pior de tudo: não eram livres.

Certo dia, um dos animais mais velhos da granja, um porco chamado Major faz uma reunião para incitar um sentimento de revolução chamado Animalismo, onde os animais dominariam a granja e seriam livres, trabalhariam para cobrir seus próprios gastos. Desde então começam a cantar um hino chamado “Bichos da Inglaterra”, e tem um slogan “quatro pernas bom, duas pernas ruim” criam mandamentos para serem seguidos por todos os animais. Major morre, mas deixa o legado da revolução. Claro que todos se entusiasmaram com a ideia, esperavam só chegar o momento perfeito. E quando chega o momento em que os bichos tomam a granja, são dominados pelo orgulho de fazer parte de algo tão grande e tudo melhora, até que os porcos criam uma especie de hierarquia por serem mais desenvolvidos intelectualmente, se destacam Napoleão e Bola-de-neve que tem voz de liderança entre os animais, mesmo com algumas leis sendo alteradas, nenhum dos bichos questionam. Mas as coisas começam a piorar, e é tarde demais para os bichos se darem conta, uma vez que já estão sendo manipulados há muito tempo.

MINHAS IMPRESSÕES:

Esse livro foi uma experiencia maravilhosa pra mim, começando por essa edição maravilhosa, capa bonita, folhas grossas… Enfim, é uma edição linda.

Como é rica essa história! Lendo o posfácio de Christopher Hitchens pude entender um pouco do que acontecia ao redor antes de a história ser criada, as dificuldades para a publicação, e o que temos é um livro feito logo após a Segunda Guerra Mundial, e o inicio da Guerra Fria. E após entender isso fica nítido, a crítica do autor a Stalin, ditador russo, que no livro é representado por Napoleão, o porco que começa a manipulação dos animais, mudando os mandamentos e usando o poder para seus próprios interesses. Agora, imagina nesse clima pesado comparar Stalin a um porco. Haja ousadia.

E não para por ai, os personagens são construídos com tanta atenção, cada personagem carrega uma característica da sociedade.Um deles é Sansão, (que me marcou muito por lembrar pessoas que são facilmente alienadas e acreditam em tudo o que ouvem) um cavalo que é forte fisicamente, porém não tem nenhum conhecimento alem do trabalho que esta acostumado a fazer, trabalhou mais que todos animais, e morre sem nenhuma dignidade. Alem disso temos uma vaca, chamada mimosa que é extremamente vaidosa e preguiçosa. As ovelhas que tudo o que escutavam saiam falando aos quatro ventos. Moisés, o corvo que acreditava que existia um monte para onde os animais iam após a morte, ele representa a parte religiosa. Todos os personagens carregam características e emoções únicas.

Uma das coisas citadas por George em seu posfácio, é que mesmo uma pessoa que não tenha um conhecimento avançado em história (como eu, por exemplo) vai entender e se envolver com a história. É surpreendente a sutileza de George, parece uma narrativa tão despretensiosa e ao mesmo tempo nunca vi ninguém fazer igual, no sentido de prender o leitor. Ele tornou um assunto complicado em algo que possa interessar até de uma criança, á uma pessoa que conhece o assunto por trás com profundidade.

Eu recomendo esse livro pra vocês, e espero ter conseguido passar tudo o que senti ao ler ele. Até o próximo post! ❤

Parceria com a autora Li Mendi <3

Estou muito feliz em comunicar pra vocês que o Livre Nos Livros é parceiro da autora Li Mendi!

3Sobre a autora:

A autora Li Mendi escreve desde 2006 na web e já possui 8 mil fãs em sua fanpage. Semanalmente, ela publica seus livros abertos, que são seguidos pelo grupo de leitores fiéis, que se reúnem em um fanclube com já 1200 integrantes. Neste, debatem temas sobre literatura, fazem encontros online para fóruns e comentam suas opiniões sobre o andamento dos enredos. Ela também é embaixadora da rede social Widibook, onde tem o blog Vida de Autor, onde escreve dicas para novos autores iniciantes e conta um pouco sobre a sua experiência.

Este trabalho interativo já rendeu mais quinze livros online, que você pode ler gratuitamente no portal da autora. Um destes ganhou a versão impressa (O amor está no Quarto ao Lado, Ed. Outras Letras) e outros três foram lançados pela Editora Highlands (Coração de Pelúcia, A verdadeira Bela e Alma Gêmea Por Acaso).

Li Mendi é jornalista e publicitária formada pela Escola de Comunicação da Universidade Federal do Rio de Janeiro, tem 29 anos, é geminiana e mora no Rio de Janeiro. Casada, sem filhos, ela escreve todos os dias e se comunica com os leitores após sua jornada de trabalho.

Seus próximos livros abertos começarão no wattpad, a rede social de livros, onde já há as obras da autora registradas. Essa é uma novidade para que mais leitores desta rede se divirtam com as suas estórias, que possuem algumas características: como textos leves, engraçados e com narração dos dois pontos de vistas: do personagem feminino e masculino.

“Eu tenho orgulho de ser uma escritora brasileira. Os leitores quando me enviam e-mails e mensagens pelo facebook, frequentemente, manifestam surpresa por meus livros não serem uma tradução e terem um estilo moderno, engraçado e emocionante. Isso nos leva a refletir sobre o quanto eles estão precisando de estórias com a cor local. Vemos nas bancadas de lançamentos muitas traduções do que deu certo lá fora. E, na prateleira infinita e virtual da internet é que os pequenos autores conseguem seu espaço. Sei que o índice de leitura no Brasil é baixíssimo, que o poder aquisitivo para comprar livros e o preço destes também são uma barreira, mas, eu faço a minha parte e conto com o apoio da Editora Highlands para lançar minhas obras. Gostaria de viver do orçamento dos livros e me dedicar a isso, porém, enquanto não é possível, eu aproveito as noites e horas vagas. Faço a minha parte e divido o meu amor pelas letras com quem me segue. Tenho um carinho enorme, respondo os e-mails e mensagens na medida do possível e procuro atendê-los. Quem compra diretamente da Highlands leva meu livro com dedicatória especial e personalizada! Por enquanto está sendo possível dar conta da demanda. (rs). Agora, quero conhecer e me aventurar mais no wattpad. Vamos ver aonde essa aventura vai levar?”, conta Li Mendi sobre seus planos.

Seus leitores correspondem com depoimentos sobre a emoção de ler seus livros no mural do seu site, que registra muitas dezenas de longas mensagens:limendi.com.br/me-escreva

Quer conhecer a autora nas redes sociais e baixar seus livros no seu site, anote aí:

Site | Perfil do Facebook | Fanpage | Grupo fã-clube | Wattpad | Widbook | Twitter | Instagram | Google Plus | e-mail: li@limendi.com.br

E ai, gostaram? Em breve teremos muitas novidades para compartilhar com vocês! ❤

Até o próximo post!

Primeiras impressões: “A Playlist de Hayden” de Michelle Falkoff

IMG_3767Olá leitores!

Hoje trago pra vocês minhas primeiras impressões do livro A Playlist de Hayden, o primeiro livro de Michelle Falkoff, que é o próximo lançamento (06/04) da Editora Novo Conceito. Recebi apenas 8 capítulos e eu devorei no mesmo dia, porque gente… é realmente uma história intensa, de tirar o folego.

Por isso já estou ansiosa por ele completo! (E, é claro que vai ter resenha aqui) ❤

No livro vamos conhecer Sam, que após a morte de seu melhor amigo Hayden, se sente muito culpado pelo o que aconteceu, mesmo sem entender o porque Hayden fez aquilo. Tudo ocorreu após uma festa, eles brigaram e na manhã seguinte Hayden estava morto, e tudo o que deixou foi uma playlist, e um bilhete, que dizia:

“Para Sam

Ouça. Você vai entender.”

A partir desse bilhete Sam escuta a playlist repetidamente. Os capítulos vão passando ele vai descobrindo mais coisas sobre seu amigo coisas que nunca soube, Hayden era seu único amigo, e pensou que sabia o que acontecia na vida dele, isso foi o que surpreendeu. Será que ele realmente conhecia Hayden como pensava? O que aquelas musicas realmente querem dizer? 

Eu realmente me prendi de uma forma nesses primeiros capítulos e não queria parar. Não podemos esperar menos que uma história intrigante, com muitas surpresas. O livro também fala de bullying, que sempre é um assunto muito sério e delicado de se tratar. Já podemos esperar coisa boa por aí, né?

Até o próximo post! ❤